Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

segunda-feira, 4 de março de 2013

DIÁRIO DE UM PAI.



Resolvi acompanhar e escrever sobre a vida escolar da minha filha de cinco anos. Será que consigo? No início do ano letivo, quase toda escola se prepara para receber seus novos alunos, poucas se preparam para receber os pais dos alunos. Tem pai que sofre... (risos). Alguns até perdem o sono, pensando como vai ser o primeiro dia de escola do seu rebento, até então, criados, mimados e protegidos de baixo das asas dos pais. Confesso: Entrei em pane, de pensar que algum menino pudesse bater na Maria. Imaginei um garoto gordo de bochechas rosadas com cara zangada partindo pra cima da menina para ganhar espaço. Fiquei maluco, só de pensar. Fiquei ansioso, além da conta, tomei um bule de café, antes do meio dia. Chegava cinco dá tarde e não chegava o meio dia, horário para buscar a Karolina.
Os filhos são sempre uma surpresa. Abriram o portão da escola e Maria saiu aos prantos, fiquei apreensivo, aconteceu alguma coisa? Pai sempre pensa no pior (risos). Que nada, aquele choro compulsivo, era por querer continuar na escola. Quando vi aquela cena me senti o último biscoito do pacote. Senti-me rejeitado e um vazio tomou meu peito, começava ali uma fase da vida que teria que aprender a dividir Karolina com o Mundo. Como dói esse sentimento! Dá uma sensação de perda imensa. Só para tranquilizar, tudo isto passa e vêm outras preocupações. Uma coisa bacana, nessa nova fase, é que às vezes somos muito solícitos com os filhos e não esperamos ser solicitados. E aos poucos eles vão contando histórias deste novo momento, pai tenho uma amiguinha, ela chama Clara. Pai, na escola tem tartaruga, coelho... Pai que letra é esta que esta no seu livro? Pai, quantos dedinhos, tem em minhas mãos. Muitos porquês! Como os filhos nos ensinam?
Como os filhos são diferentes um do outro. É comum ouvirmos em uma roda de pais, dei a mesma educação para meus filhos, mais são tão diferentes. Aonde eu errei? Eles são diferentes mesmo! Além da diferença, são educados em contextos diferentes. O meu filho Ícaro, agora com 27 anos, teve outra formação educacional. Tivemos todos os cuidados para uma boa formação, mais não fui tão presente como estou com Karolina. A vida era outra, estava começando a faculdade... Sem justificativas. Com a Maria espero que seja diferente. Esta semana pediu para que eu contasse os dedinhos das mãos e dos pés, queria saber quantos eram representados através dos números. Para finalizar, quero dividir este momento com vocês, e já comecei a ler os livros infantis e a montar a biblioteca da minha Maria.