Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

A EDUCAÇÃO DE ANTIGAMENTE ERA PARA POUCOS


Quem já não ouviu dizer que as crianças de antigamente eram bem educadas, não respondiam, eram obedientes, etc. e tal? Quando comparamos as crianças de ontem com as hoje, não faltam críticas, como a de que atualmente elas não respeitam os mais velhos. Tolices. Ora, talvez seja difícil perceber que os tempos são outros. É muito mais fácil falar do passado do que da nossa realidade atual, mas não se esqueçam de que a educação de tempos atrás servia muito bem às elites.
Antigamente a família tinha uma formação muito bem definida. A educação era rígida. Em muitos casos, se os pais não fossem obedecidos nas suas ordens, os castigos eram a solução. Violência. Se um filho questionasse uma opinião do pai, o couro do cinto comia solto. Hoje, a família não tem uma formação tão definida como antes. A mãe “saiu de casa” para entrar no mercado de trabalho. Hoje tem muitas mães que assumiram o papel de pai. Hoje tem muitas famílias em que os avós assumiram o papel dos pais, e assim vai. Ocorreu uma mudança significativa.
Talvez alguns queiram educar as nossas crianças como fomos educados. Não é possível. Caímos na besteira de dizer que antigamente aprendia-se mais na escola. Outra tolice. É bom lembrar os incautos que a educação de antigamente não era para todos. Francamente, a qualidade do ensino, que está mal, não é culpa dos professores e nem dos alunos. Repito sempre: falta um projeto de educação que lide com esta questão da educação com profundidade.
A relação entre criança e família e a escola não pode continuar de forma vertical e sim passar a ser horizontal. A relação tem que ser democrática. Como experiência e exemplo, podemos pegar as ocupações das escolas pelos alunos em São Paulo, contra o Plano de Reorganização. Os alunos tiveram um sinal que esta relação pode ser diferente e democrática, ao exigirem o diálogo. Neste caso quem estabelece o respeito é o conhecimento.  
Posso estar errado nessa opinião, alguns colegas continuam achando que educação boa era aquela rígida. Autoritária. Aquela que os alunos só recebiam informação. Aquela que o aluno era um bom ouvinte. Quando este aluno não ia bem dentro desta disciplina rígida, era excluído. As provas com notas azuis e vermelhas eram também uma forma de trabalhar com a pedagogia do medo. Pressão psicológica.  É bem assim: vocês sejam obedientes ou suas notas podem ser vermelhas. Sejam educadinhos.