Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

domingo, 31 de janeiro de 2016

“PRO DIA NASCER FELIZ”


Você já assistiu a um filme que lhe marcou tanto que gostaria que seus amigos vissem? Um filme que lhe provocasse tanta emoção e reflexão que você gostaria que muitas pessoas assistissem? Quando assisti ao filme “Pro Dia Nascer Feliz” (o filme está à disposição no Youtube), do cineasta João Jardim, me deu essa vontade louca que muitas pessoas fizessem o mesmo.  Assistam! Aí resolvi escrever este pequeno artigo. O filme trata de um tema que nos custa caro, enquanto nação. Um tema corriqueiro quando se fala que alguma coisa precisa mudar no país. Educação. Quanto nos custa caro uma educação de péssima qualidade?

Um documentário extraordinário.

O filme não traz nenhum especialista em educação para tratar do assunto. Nenhuma reivindicação política. Nenhum curioso querendo tratar de um assunto que desconhece. Nenhum palpiteiro. Os protagonistas do documentário são aqueles que estão inseridos no contexto da escola. Funcionários. Alunos. Direção e professores. A clareza com que estes atores inseridos ali falam de violência, abandono, despreparo profissional, humilhação, condições péssimas de trabalho, pautam-nos que os problemas são muitos, mais sérios do que imaginamos.

Jovens de regiões diferentes do Brasil com sua fala acentuam descaradamente como a educação é tratada com descaso e desrespeito pelos agentes públicos. Com toda falta de estrutura, adolescentes buscam uma saída através do estudo. Destaca-se uma garota, poetisa nordestina, que acredita no seu talento, mas é desacreditada pelos amigos e professores que não enxergam nela este talento. Entretanto persiste! O aluno carioca que trava uma luta árdua entre ficar na escola ou entregar-se a o tráfico. No tráfico ele será muito mais reconhecido do que se frequentar a escola.  Os professores não desistem deste garoto. Investem em projetos interdisciplinares. Sozinhos. A garota de classe média da escola particular em São Paulo que tem seu caminho trilhado. Futuro certo. As diferenças sociais deste país são realmente gritantes.

Um filme que merece ser assistido!

O que me deixou emocionado e perplexo foi a angústia no depoimento dos nossos jovens, bem nascidos ou não, com a ausência dos pais. Muitos querem ser ouvidos. Abraçados. Querem atenção. Muitos jovens encontram este aconchego no seio da escola. Este fato reforça a ideia, já antiga, de que a presença dos pais no ambiente da escola é salutar. Muitos pais não conhecem seus filhos até serem chamados à direção por alguma situação disciplinar. Reagem perplexos: “Este não é meu filho.” - quando a Direção relata as atitudes dos seus rebentos.  Muitos pais não sabem lidar com este novo filho. A contrição é a primeira reação.

Um grupo de jovens conversa entre si sobre as agressões praticadas por eles contra professores com a maior naturalidade. Professores com medo. Professores acuados. Agressões físicas e psicológicas. Os pais desconhecem. Um documentário que deve ser assistido... A saída deste caos é simples, mas não simplista.


Um filme necessário, que deve ser assistido com a família. Insisto!