Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

CARNAVAL, OLIMPÍADAS E ELEIÇÕES...


Que tal nos comportamos de forma diferente nestas eleições?  Deixar de lado todas as pedras (no sentido figurativo) que gostaríamos de atirar nos políticos e analisá-los a partir daquilo que desejamos para nosso cotidiano? Este desejo não pode ser individual e sim coletivo. Combinado. Analisaremos como nos comportamos ou deveríamos nos comportar diante da enxurrada de informações que receberemos daqui para frente, de todos os candidatos.

Ora, todos os candidatos, sem exceção, se apresentam como um produto exposto em uma prateleira de supermercado. Impecáveis. Gastam milhões para aparecer aos nossos olhos como defensores dos nossos interesses, sempre simpáticos! Já que se oferecem como produtos, então vamos comprá-los como tal e com muita cautela.

A primeira observação é olhar a validade do produto. Prevenção. Não compramos produtos perecíveis para colocar na mesa de casa, não é mesmo? Mas atenção! Não estou falando da idade do produto... Depois devemos olhar o enunciado que apresenta este produto.  A etapa seguinte é pesquisar sua origem.   

Muito cuidado, quem vê cara não vê coração. Questionamentos. O candidato que se apresenta já teve algum cargo no poder legislativo ou executivo? Como foi seu desempenho? É bom conhecer a história deste produto todo pomposo e agora tão solícito.
Apenas uma advertência: estas indagações não impedirão você de votar errado de novo. Todos (quase todos) os candidatos criam uma imagem de vida associada a sofrimento. Desta forma nos sensibilizam. Somos um povo emotivo. Muito cuidado! Cuidado principalmente com as histórias de vida tipo melodrama mexicano.

Mesmo com todo cuidado a embalagem dos produtos pode ser enganosa. Pode dizer uma coisa e ser outra.

Há um tempo diria que a história de um candidato era importante e bastava no sentido da nossa escolha. Agora não é bem assim, eles estão muito parecidos. Fica difícil decidir. Fica difícil escolher.
Mas aqui com meus botões, não é tão difícil escolher um candidato. É só refletir nestas questões: Como anda a saúde da sua cidade? Como anda a educação da sua cidade? Como anda a segurança da sua cidade? Como anda a mobilidade urbana na sua cidade? Penso que estas perguntas podem ajudar a escolher ou formar o perfil de um candidato. Além disso, uma forma coletiva de pensar a política com ética que tanto desejamos.

Franqueza é uma coisa importante na vida. Ou nos comportamos como cidadãos que realmente queremos uma educação melhor, um atendimento humano na saúde, segurança e um transporte melhor, ou estamos perdidos. Se tivermos a mesma preocupação com política como aquela que temos com o futebol, as coisas serão diferentes. Adoro futebol.

Não vale votar em troca de um cargo que vai lhe compensar individualmente. Sabe, não vale o jeitinho... se conseguirmos pensar na escolha de um candidato a partir das nossas necessidades sociais, com certeza eliminaremos muitos candidatos sem noção do que é servir a sociedade.


Mesmo assim podemos cometer erros. Errar faz parte da nossa caminhada... O que não podemos é deixar os outros decidirem pela gente ou fazer de conta que política é algo distante e que não faz parte da nossa vida. Os produtos engomadinhos adoram este tipo de comportamento.  Até agora analisamos a aparência, a embalagem, falta olhar o conteúdo deste nosso produto.  Aí precisamos aguçar os nossos olfatos.  Porém, este critério também é muito importante para escolher um candidato e será preciso escrever um outro artigo.