Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

ORGANIZANDO O CAOS


Quem já não levantou com vontade de organizar a vida começando pelas coisas guardadas nos armários e caixas amareladas? Outro dia amanheci com está vontade, louca de arrumação.  Muitas vezes, guardamos coisas que não vamos usar, até sabemos que não vamos usar, mais sempre depositamos estas coisas em algum lugar, penso que pra dizer que aqueles papéis com anotações ou não, fotos, livros e outros objetos fazem parte da nossa vida. É como se dissemos pra nós mesmos, temos uma História a contar. Também pode ser que guardamos coisas com a certeza, de que se perdermos o fio da miada nesta vida, podemos retomá-la com essas lembranças.


Comecei a reorganização da bagunça, com as folhas que estavam sobre mesa e outras tantas enfiadas nas gavetas, com anotações e números de celulares, que nem lembro a quem pertence. Como gastamos papel? Ali, muitas folhas de caderno e de sulfite em branco, esperando alguma informação que nunca chegou. Em algumas anotações, nomes escritos que deixaram muita saudade, relacionamentos construídos na amizade e no companheirismo. Outros nomes ali registrados não fariam falta alguma se fossem esquecidos, amigos do poder. O almoço marcado, o encontro agendado que não aconteceu. Como foi difícil desfazer destes papéis, alguns há tempos amarelado. Como é difícil desfazer do passado. Ao esmagar cada folha, uma vontade de ler de novo, é guardá-las.  As folhas em branco, a vontade de escrever alguma coisa... No último papel jogado, escrito uma frase de uma amiga do tempo de escola: “Sempre quando nós nos encontrávamos você me perguntava: como está"?


Como as fotos são reveladoras, “amigos” com um sorriso de canto e sorrateiro, querendo sair no retrato.  Muitos! As escolas inauguradas e a alegria da comunidade e das professoras e funcionárias, com aquele novo espaço. As fotos têm este poder de registrar sentimentos. Os livros muitos lidos e tantos outros esperando para serem lidos, retomei a leitura do Ensaio sobre a cegueira do escritor José Saramago, e já terminei. Um livro revelador, no trato da crueldade humana diante de situações de estresse social, mais também esperançoso, apontando caminhos para criarmos coletivamente uma vida melhor. No meio da limpeza, uma pausa, um reencontro com Umberto Eco, sobre a História da Feiura com afrescos maravilhosos. Leitura em andamento. Ganhei de aniversário, Humano, Demasiado, Humano do pensador, Friedrich Nietzsche, presente compensado e com os “espíritos livres”. Quase tudo organizado, e a vida continua... Só não gosto que mexam na minha desorganização, tão organizada. Ah, os livros também são reveladores. Para finalizar muita coisa jogada no lixo retornaram as caixas amareladas.


Prof. Marcos Roberto Bueno Martinez.