Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

CORRUPÇÃO CARA-PÁLIDA


Quando o assunto é corrupção temos sempre alguém a acusar (com o dedo em riste). Políticos! São todos corruptos. Conclusão rápida e certeira.Nem pestanejamos na afirmação. Talvez esteja aí a causa maior da nossa frustração, principalmente quando termina tudo em... A dor maior dessa frustração é quando descobrimos que os políticos não são os únicos corruptos. É mais fácil acreditar que eles são os únicos. Assim evitamos olhar para o nosso próprio umbigo. Ilusão de ótica.

Se só os políticos fossem corruptos seria tão fácil resolver. Votar nulo? Também não resolveria. Talvez votar com critérios e objetivos de interesse coletivo. Talvez? É sempre bom lembrar: os políticos nascem no seio da sociedade. Tornam-se corpos estranhos na sociedade depois de eleitos. Distanciam muito da realidade de onde nasceram. Distanciam muito! Aprendem muito rapidamente a realidade do mundo da política. Dissimulações! Mentiras!Promessas!Poder! Status quo! Aprendem muito rápido a jogar a responsabilidade da sua irresponsabilidade nas costas dos outros (nessa história de empurrar responsabilidade aos outros nem Jesus Cristo e Deus escapam). Desalentador. Desanimador.

A eficácia da informação e da desinformação em relação à corrupção é tão difusa que ficamos abobalhados. Quem são os corruptos? Quem são os corruptores? Obscuro! Aquele alguém que é a bola da vez na denúncia é somente o ponto do iceberg. Muitos denunciantes são tão ou mais corruptos que os acusados. Infelizmente! Mas, nem tudo está perdido, há investigações sérias. Nem tudo termina em pizza. Mesmo assim, a sensação de impunidade é muito grande. Desesperança.

Vamos tirar o foco dos políticos e trazer pra nós. Nosso dia a dia. Ações muitas vezes ingênuas do nosso cotidiano e que passam despercebidas. Que forma e molda a cultura do jeitinho. Sem distinção de classe social (ricos e pobres). Nessa hora é tão bom ter um padrinho político. Padrinho para quebrar um galho em relação àquilo que é um direito transforma-se em favor. A venda do voto. O emprego prometido.Corruptores e corruptos ambos andam de mãos dadas. Não nascem no parlamento. São educados nos ninhos da nossa casa. Os olhos que saltam à avaliação do amiguinho de escola. Caixinha para o guarda quebrar um galho da infração de trânsito cometida. Pequenos gestos. Pequenos gestos de desonestidade.  

O jeito de lidarmos com a corrupção nunca se resolverá. Não tenha a ilusão que ela acabe. Amenizar é possível.É sempre o outro. Só o outro? Se possível bem distante da gente. Como podemos mudar assim? A solução está aqui perto da gente. Bem pertinho. Educação familiar e escolar é um caminho. Mudança de cultura.

Ingenuidade é acreditar que corrupção é invenção deste ou de outro partido político. Eles aprimoraram! Invenção deste ou outro País. Nasceu no seio da sociedade. Gestos simples. Outro dia alguém devolveu a carteira esquecida no carro. Alguém procurou outro que perdeu envelope recheado de dinheiro. Quantos de nós falamos de peito cheio: que cara trouxa, eu não devolveria. Tantos outros devolveriam sem mexer em um tostão. A esperança existe.

Um educador mostrou um caminho outro dia no seu comentário: a escola que eu trabalho esta questão da corrupção não é aceita por esses novos jovens. A possibilidade de mudar esse defeito do DNA é grande. Olha a esperança outra vez.